Notícias Relacionadas

Newsletter

Quinta, 22 de Novembro de 2012 - 16h49

Tecnologia da Embrapa Milho e Sorgo chegará à África em 2013

Através de projeto liderado pela Embrapa Milho e Sorgo e por Mali, haverá produção de biopesticida à base de Bt em três países africanos

Embrapa Milho e Sorgo

Milho atacado pela lagarta-do-cartucho

Clênio Araújo

O controle biológico é uma tecnologia que tem sido colocada em prática em diferentes culturas agrícolas. A Embrapa Milho e Sorgo possui estudos na área de controle da principal praga que ataca o milho no país, a lagarta-do-cartucho. Entre as opções, estão o Baculovirus spodoptera e o Bt (Bacillus thuringiensis). Para ambos os agentes, existem em funcionamento biofábricas, empresas que comercializam produtos eficientes no controle da praga.

Em Uberaba-MG, está instalada uma biofábrica que trabalha com baculovírus. Já o Bt é trabalhado em empresas em Patos de Minas-MG e no Ceará e está sendo negociado no Rio Grande do Sul. Nestes dois últimos estados, existem parcerias com órgãos públicos. E a tecnologia Bt como controle biológico será, agora, implantada na África.

Através de projeto liderado pela Embrapa Milho e Sorgo e por Mali, haverá produção de biopesticida à base de Bt em três países africanos: Mali, Burkina Faso e Niger. De acordo com Fernando Hercos Valicente, pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo, o projeto foi aprovado dentro do convênio Brazil-África e objetiva “repassar a tecnologia de biofábricas de Bt, produzidos em laboratório usando o arroz como substrato de crescimento. Meio barato e ao alcance de todos”.

Os trabalhos estão começando, mas já houve a definição de um plano de ação a respeito da montagem das biofábricas. Fernando deve ir à África no próximo ano, dentro do projeto. Em relação à importância da transferência de tecnologias da Embrapa para outros países, o pesquisador ressalta: “temos tecnologias ao alcance de todos os tipos de produtores e acho que estas tecnologias devem ser incentivadas e repassadas”.

A biofábrica de Bt com produção utilizando o arroz, por exemplo, “não é cara de se manter e pode eliminar vários problemas que os inseticidas químicos acarretam para o meio ambiente, trazendo benefícios inestimáveis a curto, médio e longo prazos”, completa o pesquisador. Abre-se, portanto, mais uma perspectiva de utilização, por parte dos produtores, de tecnologia desenvolvida pela Embrapa.

Publicações – Há diferentes publicações técnicas sobre controle biológico da lagarta-do-cartucho, tanto usando baculovírus, como Bt. A seguir, algumas delas, disponíveis gratuitamente para leitura, com os respectivos links:

Controle biológico da lagarta do cartucho, Spodoptera frugiperda, com baculovírus

Controle biológico da lagarta do cartucho, Spodoptera frugiperda, com Bacillus thuringiensis

Uso de meios alternativos para produção de bioinseticida à base de Bacillus thuringiensi

Link

Compartilhar