Notícias Relacionadas

Newsletter

Quinta, 17 de Julho de 2014 - 08h14

Exclusivas uagro

Cerrado apresenta potencial para produção de grão-de-bico

O cultivo da cultura pode atender mercado de consumo brasileiro

Redação UAGRO

Um estudo realizado pela Embrapa Hortaliças, em parceria com produtores, comprova a efetividade da produção de grão-de-bico na região do Cerrado, no Distrito Federal. Apesar de pouco presente no cardápio dos brasileiros, a produção interna ainda é pequena para atender ao consumo e o país importa grandes quantidades do grão do México e do Chile. Entretanto, o Brasil tem potencial para o cultivo da cultura.

Segundo o pesquisador da Embrapa Hortaliças, Warley Nascimento, o grão-de-bico se adapta bem às condições climáticas da região Central. Ele se desenvolve no período seco de inverno, com temperaturas amenas e em locais de maiores altitudes, necessitando de irrigação suplementar, ou seja, não se faz necessário o uso exigente de água.

Em relação à colheita, as perdas com a produção também podem ser menores. Por ser uma leguminosa, mais rústica não requer cuidados especiais. É uma cultura totalmente mecanizada e apresenta baixos índices de ocorrência de pragas. “Temos condições climáticas, tecnologia e maquinário para cultivo”, afirma o pesquisador da Embrapa.

O grão-de-bico é rico em proteínas e oferece diversos benéficos à saúdePara o engenheiro agrônomo e produtor da cultura, Osmar Artiaga, com conhecimento das técnicas, a produção é barata e lucrativa. “Com a facilidade em cultivar o grão-de-bico, na região Central do Planalto, podemos atingir cerca de 3 mil quilos por hectares, tendo potencial para atender o consumo interno no país”, conta Osmar, que completa: “Com a tecnologia que detemos, acredito que o Brasil possa vir a aumentar a produtividade e oferecer um recuo nos preços do produto para o mercado nacional, que hoje é importado”.

O grão-de-bico é rico em proteínas e oferece diversos benéficos à saúde, como, por exemplo: melhora do raciocínio, disposição física e ainda garantir a sensação de bem-estar Por isso, ao redor do mundo, ele é a quinta leguminosa mais cultivada e a segunda mais consumida, atingindo a 20 milhões de toneladas por ano.

 


Link

Compartilhar