Notícias Relacionadas

Newsletter

Segunda, 17 de Abril de 2017 - 14h19

Estudo destaca uso do sorgo para nutrição animal

Segundo pesquisa, grão é mais barato e tem valor nutricional igual ao do milho

DATAGRO

“A Universidade Federal de Uberlândia é hoje, no Brasil, a instituição que mais conhece o sorgo na nutrição animal”. É o que afirma o professor Evandro de Abreu Fernandes, da Faculdade de Medicina Veterinária (Famev) da UFU, que há 17 anos realiza pesquisas sobre o uso do sorgo na nutrição animal.

Sorgo traz vantagens para o uso da ração animal (Foto: Embrapa)

Fernandes conta que começou a estudar as dúvidas que os produtores tinham em relação ao grão, como o pensamento de que o animal não cresceria o suficiente se fosse alimentado com sorgo. “A primeira pesquisa que fiz com os alunos foi à substituição do milho pelo sorgo na ração, começando parcialmente, com 30%, 60%, 80% e até 100%. Aí eu mostrava, que não tinha nenhuma interferência negativa de desempenho zootécnico.”

Outra questão levantada era a possibilidade de que, ao utilizar o sorgo na ração, também era preciso ter mais óleo e, com isso, a ave ficaria mais gorda, diz o docente. Fernandes analisou o rendimento de carcaça dos animais para ver a composição de gordura. Segundo ele, surgiu outro fato interessante: “a carcaça era menos gorda do que quando criava a ave com milho”. Além disso, outro experimento foi utilizar o grão de sorgo inteiro, o que gerava uma economia no processo, já que o que mais gasta energia em uma fábrica de ração é moer o grão.

Outra vantagem é o custo, já que o grão de sorgo é mais barato. Porém, segundo Fernandes, ainda existe receio dos produtores por causa do pigmento dele ser acinzentado. “O milho é um produto caro. Nutricionalmente não tem diferença, somente na coloração, o que não é um problema, porque nós temos recursos para colorir a gema [do ovo] e a pele do frango, sem comprometer a qualidade e ganhando em termo de custo final do produto”, afirma.

Link

Compartilhar